23°C 28°C
Fortaleza, CE

Unifesp só tem dinheiro para funcionar até setembro, diz reitora

Verba repassada pelo Ministério da Educação diminuiu 43% desde 2014

24/05/2024 às 08h14
Por: MTb:0003449/CE Fonte: Folha de São Paulo
Compartilhe:
Unifesp só tem dinheiro para funcionar até setembro, diz reitora
SÃO PAULO

Prestes a completar 30 anos, a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) enfrenta problemas financeiros. Com o orçamento atual, a instituição só consegue funcionar até setembro deste ano, segundo sua reitora, Raiane Assumpção.

Continua após a publicidade

Em entrevista à Folha, ela falou sobre as dificuldades enfrentadas por sua gestão e ressaltou a necessidade de ajuda do governo federal.

Continua após a publicidade

Há dez anos, a Unifesp operava com o chamado orçamento de custeio –utilizado para pagar a operação diária, sem contar o salário de professores e funcionários– de mais de R$ 159 milhões, em valores corrigidos pela inflação.

Continua após a publicidade

Neste ano, trabalha com pouco mais R$ 90 milhões, uma diminuição de 43%. É o menor repasse desde 2014, excluindo o período da pandemia (2021-2022).

Já o orçamento de capital –investimentos em construções e instalações– repassado pelo MEC (Ministério da Educação) "foi quase inexistente nos últimos três anos", disse Assumpção.

A universidade recebeu recursos pontuais para obras emergenciais em seus campi em São José dos Campos (no interior do estado), São Paulo, Osasco e Diadema (ambas na região metropolitana da capital). Este última é alvo de recorrentes reclamações de alunos quanto a sua infraestrutura.

Um problema adicional surgiu em dezembro, diz ela. O orçamento das universidades federais para 2024 foi reduzido no Congresso Nacional, comparado ao ano anterior. O montante foi de R$ 6,2 bi em 2023 para R$ 5,9 bi. Assim, cada universidade perdeu 10% da verba, aproximadamente.

"Os recursos que temos dão até setembro", afirmou a reitora da Unifesp, eleita em julho de 2023. "Isso considerando o funcionamento mínimo, sem fazer nenhuma coisa nova. É pagar o básico. Segurança, limpeza, energia, água e telefone", explicou.

Até dezembro, a universidade ainda tinha um respiro: emendas parlamentares. Com a progressiva diminuição da verba liberada pelo governo, elas se tornaram cada vez mais importantes para o funcionamento dos centros de ensino, segundo a reitora.

Em 2023, as emendas representaram 11,85% do orçamento total dessas instituições, segundo dados das próprias universidades federais, um aumento significativo em relação a 2014, quando representavam 1,57%.

Neste ano, porém, os deputados priorizaram seus repasses ao governo estadual, de acordo com Assumpção, deixando de lado as universidades federais. "Nós não recebemos nada. Estamos vendo se conseguimos algo. É necessário que os deputados federais mandem o recurso para nossa sobrevivência", disse ela.

Desde esta quarta-feira (22), a reitora participa de um encontro de gestores de instituições federais na Ufscar (Universidade Federal de São Carlos), no interior paulista. Eles têm como tema central o orçamento das instituições.

"A situação de todas é parecida à da Unifesp, algumas estão até piores", afirmou a reitora.

O grupo, segundo ela, pede recomposição urgente da verba perdida de 2023 para 2024, ao menos para conseguir terminar o ano. Assumpção também considera urgente a criação de um sistema que deixe mais estável o montante recebido por cada universidade por ano.

Para isso, o grupo cita o modelo da USP (Universidade de São Paulo) e das outras universidades públicas paulistas, que recebem um percentual fixo do que o governo estadual arrecada com ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços).

Enquanto nada do tipo é colocado em prática, a Unifesp tenta manter o funcionamento de seus serviços por meio de arrecadação própria. O caixa é preenchido por dinheiro cobrado no vestibular, concurso público e até aluguel de espaços, entre outros.

Há, porém, uma trava: a universidade só pode embolsar R$ 6 milhões do que angaria. Toda sobra deve ser enviada à União.

Outra fonte de renda vem de órgãos de fomento para projetos de pesquisa em áreas como saúde, agricultura e direitos humanos. Isso gerou R$ 350 milhões à Unifesp no último ano. Todo esse valor é revertido em bolsas de pesquisa e extensão.

"Para conseguir receber esses projetos, no entanto, precisamos oferecer condições mínimas de infraestrutura e funcionamento. E isso só é possível com investimento constante", diz Assumpção.

Ela diz ter ter contatos frequentes com representantes do governo Lula (PT), mas que apenas recebe respostas pontuais sobre os pedidos.

A Unifesp é uma das três universidades federais do estado, ao lado da Ufscar e da UFABC (Universidade Federal do ABC). È formada por 7 campi localizados nas cidades de Diadema, Guarulhos, Osasco, Santos, São José dos Campos e São Paulo (que tem dois campi). Hoje, há 14.664 alunos de graduação matriculados e 7.459 de pós-graduação.

Em 2023, a instituição de ensino apareceu entre as melhores da América Latina (5º lugar) pela Times Higher Education, sendo a 3ª melhor universidade brasileira e a primeira universidade federal do país

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Fortaleza, CE
30°
Parcialmente nublado

Mín. 23° Máx. 28°

33° Sensação
8.75km/h Vento
62% Umidade
98% (2.91mm) Chance de chuva
05h38 Nascer do sol
05h33 Pôr do sol
Sáb 28° 23°
Dom 27° 23°
Seg 28° 23°
Ter 28° 24°
Qua 28° 24°
Atualizado às 15h02
Economia
Dólar
R$ 5,44 -0,23%
Euro
R$ 5,82 -0,32%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,19%
Bitcoin
R$ 369,733,55 -1,54%
Ibovespa
121,550,83 pts 0.92%
Lenium - Criar site de notícias