23°C 28°C
Fortaleza, CE

O clima azedou com a piora nas contas públicas e o temor é que Lula pise no acelerador do populismo

As pesquisas já não andavam muito favoráveis a Lula, e o temor é de que ele pise no acelerador do populismo para, ao menos, manter seu fiel eleitorado

24/05/2024 às 11h17
Por: MTb:0003449/CE Fonte: Estadão
Compartilhe:
O clima azedou com a piora nas contas públicas e o temor é que Lula pise no acelerador do populismo

O clima azedou com a piora nas contas públicas, e as projeções do Focus para inflação e juros refletiram isso. As expectativas servem como uma fotografia do momento. E, no momento, há uma desconfiança de mais mudanças no arcabouço fiscal pela frente. O PT gosta de dobrar a meta.

Continua após a publicidade

governo começou com a PEC da Transição, uma licença para gastar. Deixaram as receitas para depois. Jogaram a bola na área esperando alguém cabecear. Não funcionou.

Continua após a publicidade

Não é só o mercado que anda de mau humor com Lula. Pesquisas mostram que a avaliação de seu governo não está boa, o centro liberal que lhe garantiu a vitória não está nada satisfeito e até mesmo sua base está descontente. Servidores em greve, Gleisi bombardeando política econômica nas redes, brigas na Esplanada, comunicação ruim e Haddad se equilibrando ― agradando cá, desagradando acolá.

Continua após a publicidade

As pesquisas já não andavam muito favoráveis a Lula, e o temor é de que ele pise no acelerador do populismo para, ao menos, manter seu fiel eleitorado.

Há um mal de raiz na filosofia petista: acreditam que a política monetária é a culpada por tudo. É só baixar os juros que o milagre do crescimento se faz. Mais um elemento de incerteza em ano de troca do comando do Banco Central. A experiência passada ainda não os convenceu que, sem ajuste nas contas públicas, não há redução dos juros.

A culpa é sempre dos outros: impeachment, Lava Jato, mas jamais do Petrolão ou da irresponsabilidade fiscal. Carregam um desejo incontrolável de gastar — no que são acompanhados por um Congresso irresponsável fiscalmente.

No meio desse tiroteio, Tebet apresentou sugestões para ajustes estruturais nas contas, como a desvinculação dos gastos com Saúde e Educação e da aposentadoria ao salário mínimo. Não recebeu apoio nem do colega Haddad.

A ministra foi até tímida: deixou de fora os militares e igualdade na idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres. Uma nova rodada de reforma da Previdência é inevitável. O envelhecimento da população também traz impacto — distintos — nos gastos com Saúde e Educação, aumentando a demanda por um e diminuindo por outro. Mais uma razão para desvinculação.

E, para piorar, Lula inventa de trocar o comando da Petrobras para torrar recursos em refinarias e indústria naval — de novo. É quase uma provocação.

Uma das delícias de ser avó é aprender com neto. Num desses papos filosóficos, ele disse: “Vovó, é o futuro que decide”. Rapidamente, completou: “Mas o passado ensina”. Aos seis anos, já sabe mais do que o PT com quase 50. Pedro para CEO da Petrobras.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Fortaleza, CE
30°
Parcialmente nublado

Mín. 23° Máx. 28°

33° Sensação
8.75km/h Vento
62% Umidade
98% (2.91mm) Chance de chuva
05h38 Nascer do sol
05h33 Pôr do sol
Sáb 28° 23°
Dom 27° 23°
Seg 28° 23°
Ter 28° 24°
Qua 28° 24°
Atualizado às 15h02
Economia
Dólar
R$ 5,44 -0,26%
Euro
R$ 5,82 -0,35%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,16%
Bitcoin
R$ 371,080,96 -1,15%
Ibovespa
121,439,78 pts 0.83%
Lenium - Criar site de notícias